O desafio de ser o primeiro das buscas

Entender como funcionam as engines dos sites de buscas parece ser mais difícil que resolver a crise áerea do Brasil. Nos primórdios da história, cadastrava-se um site em serviços de diretório. Isso não garantia ao usuário uma qualidade refinada nas buscas, já que facilmente esses cadastros eram fraudados. Também existiam as Metatags. Esses elementos do HTML, popularizadas em meados da década de 90 pelo Altavista e Infoseek, também eram facilmente fraudadas, usando falsas palavras-chave e descrições que deturpavam a realidade.

Num mundo 2.0, ainda aparecem empresas que prometem milagres no posicionamento de um site nas buscas, além do cadastro em milhares de serviços de busca. Isso me lembra 5, 6 anos atrás, em que empresas desse tipo prometiam cadastros em 1 zilhão e meio de serviços. Em um mundo 2.0 onde três ou quatro sites de busca dominam, é impossível que essas outras search engines sejam relevantes para alguém.

Para aparecer bem nas buscas, não existe milagre: basta desenvolver conteúdo relevante. Tenha foco e objetivo. Lucros são consequência.

 

Leonardo

Registros de Leonardo Faria sobre desenvolvimento web

 
  • O impressionante é que meu blog é achado no Google pelos critérios que eu menos esperava, mas fazer o que, como vc disse lucros são consequência

  • Uai, quais critérios? Só não pode ser PAN ;)

  • Parabens Leonardo pelo seu quase “romantismo” nas palavras em relação aos motores de busca e a forma com que temos que encarar tal desafio.
    O que você diz é importantíssimo e tem a verdade como suporte, porém o que mais vimos no dia a dia são empresas que buscam desesperadamente vender seus serviços, e nisso prometem o que realmente não podem fazer, claro que, com o tempo seus clientes irão procurar outras empresas para sanar o que realmente precisam.
    Vendo isto desse jeito, vale a pena refletir no que você diz: “Tenha foco e objetivo. Lucros são consequência.”

    Sensacional!!!

    Abs

    Sérgio de Sousa