Web2.Oh

Web2.0 é um termo da moda. Hoje, não existem mais sites “em construção” mas sim sites “beta“, “alpha” ou até mesmo “gamma“. Mas o que significa Web2.0?

O rótulo “Web2.0” surgiu em 2005, pelas mãos do Tim O’Reilly. A grosso modo, significa reforçar o conceito social da Internet, que seria de troca de informações e colaboração dos usuários, nos mais diversos serviços. É a exaltação da simplicidade e a glorificação do conteúdo. Navegar não é mais um tormento e tudo gira em torno do usuário e de seus hábitos. Mas, e o conteúdo? O conteúdo chega a mim e não existe mais a via crucis da busca, porque notícias, fotos e mensagens chegam por RSS.

Repito, a simplicidade e o conteúdo estão em primeiro lugar. Isso significa que algumas coisas da tal “web1.0” irão desaparecer, pela simples teoria da seleção natural: O que é bom sobrevive e o que é ruim morre (ou melhor, não terá visita alguma). Hotsites inteiros em Flash, confusos, com Splash Screens são algo que tendem a desaparecer. Hoje, mais do que nunca, não quero mais aprender a navegar na Internet. A simplicidade dos recursos do HTML, atrelados ao poder do CSS e do Javascript criam um novo poder ao usuário. Exemplos: Gmail – acessível do meu celular, em qualquer browser, sem nenhum plugin adicional e com uma “cara sem-graça”, para alguns designers. É essa exaltação da simplicidade que o faz funcional. Webdesign não significa repetir na Internet uma experiência do design gráfico.

Antes e depois da Web2.0

DoubleClick » Google AdSense
Akamai » BitTorrent
mp3.com » Napster
Britannica Online » Wikipedia
content management systems » wikis
domain name speculation » search engine optimization
directories (taxonomy) » tagging (“folksonomy”)
Mais comparações no artigo What Is Web 2.0

Importantes observações a serem feitas das informações acima

Publicidade: saem os anúncios coloridos e entram links HTML. Os tais links do AdSense conseguem ser muito mais eficientes, já que variam, de acordo com o contexto da página.
Downloads: saem sites e entram protocolos. BitTorrent, Napster e companhia provam que é a união quem a faz a força.
Enciclopédia e Gerenciadores de Conteúdo: novamente um conceito de compartilhamento. Usuários como eu e você definem o que está no Wikipedia, a maior enciclopédia do mundo.
Especulação de domínios: domínios chegam a custar milhões de dólares. Hoje, uma política de otimização em sites de busca garante um mesmo retorno.
Diretórios versus Etiquetamento: O etiquetamento é uma forma mais eficiente de classificar algum conteúdo. Exemplo: novamente Gmail. Nesse webmail, você não fica preso ao conceito de Pastas. Você pode atribuir várias etiquetas para uma mesma mensagem. Consequência? Melhor organização e agilidade para encontrar informações.

Well, para terminar basta resumir o que todo Web2.0 é: uma aplicação online, gratuita, de alta qualidade e que simplesmente coloca o conteúdo em primeiro lugar. Exemplos estão em todo lugar.

[tags]web 2.0, article, taxonomy, folksonomy, ria[/tags]

 

Leonardo

Registros de Leonardo Faria sobre desenvolvimento web